sábado, 15 de janeiro de 2011

Testemunho da Ana Beatriz!! :-)

MEU BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO!!


Honestamente, eu perdi a noção do tempo em que fiquei "buscando" o batismo com o Espírito Santo! As aspas são porque já tem anos que eu estou buscando, mas de todo o coração, de toda a alma, enfim, com toda a força, faz muito pouco tempo... De todas as Fogueiras Santas que eu havia me lançado, TODAS foram pelo meu batismo, a maioria dos propósitos, os meus jejuns, enfim, eu já tinha feito de tudo. Me lembro de ter sacrificado meu cabelo 2 vezes, desejando o Espírito Santo! A cada ano que se iniciava, eu determinava: esse ano vai acontecer, e de preferência já no início! E o ano já estava acabando e nada do meu batismo! A cada virada do ano sem minha resposta, eu me sentia frustrada, mas continuava buscando... nunca pensei em desistir! Faço parte da Força Jovem, e portanto, estava sempre na ativa: limpando a igreja, fazendo ponto de fé, evangelizando nas comunidades, fazendo os propósitos da igreja, etc. Eu vi jovens que eu ajudei a evangelizar, vindo pra igreja, se libertando, sendo batizados com o Espírito Santo e sendo levantados a obreiros! Eu ficava me perguntando o que tinha de errado comigo. Os pastores e os obreiros que já me conheciam bem, sempre me diziam: Ana, você tem o Espírito Santo, mas você não crê! De fato, eu não cria...

Eu praticamente nasci na igreja. Minha mãe chegou à IURD quando eu tinha uns 3 anos, e em pouco tempo se tornou obreira, portanto, eu praticamente cresci na EBI, eu e meus irmãos. Mas, infelizmente, apesar de ela ser obreira, não tinha sequer nascido de novo, e por conta disso, nós recebemos muitos maus testemunhos... O tempo foi passando, nós fomos crescendo, e acabamos nos distanciando da igreja. Lembro-me de um dia que minha mãe resolveu desabafar seus problemas comigo, eu tinha uns 11 anos e nem sabia direito o que estava acontecendo, mas mesmo sem entender muito bem, eu a deixei admirada com as palavras de fé que saíram da minha boca (e olha que eu nem ia mais na igreja). A partir daquele dia, eu decidi ir para voltar a assistir as reuniões e viver uma vida com Deus, o que de fato aconteceu. Os anos foram se passando, e minha mãe acabou "caindo" e saindo da obra. Eu estava muito confusa, foi uma época muito difícil para mim, mas mesmo sem entender nada, segui em frente confiando em Deus. O problema é que eu ainda era muito imatura, e comecei a me envolver com meus colegas de escola. Não cheguei a "ir para o mundo", mas me distanciei muito de Deus... Nesse meio tempo, meu avô materno, estava muito doente, nossa casa parecia um verdadeiro hospital, e em 2006, ele faleceu no meio de uma operação... Meu mundo desabou! Ele praticamente era meu pai, pois cuidou de mim desde quando nasci! Mas isso não foi o suficiente pra que eu pudesse despertar...

Nós continuamos frequentando a IURD, mas com um tempo nos mudamos para uma igreja mais perto de casa. Foi mais ou menos nessa época que minha mãe começou a sofrer com depressão profunda. Iamos todos os dias na igreja, mas mesmo assim, ela começou a ter crises psicológicas. Chegou a ficar de cama, com o olhar paralisado e o corpo totalmente rígido. Nessa época, tínhamos que fazer tudo pra ela: dar comida na boca, levá-la ao banheiro, e até mesmo dar banho. Foi muito difícil! Principalmente para mim, pois imagina o que a minha família pensava da igreja...

Foi aí que eu me firmei! Comecei a lutar pelo batismo com o Espírito Santo. Mas minha luta estava apenas começando...

Minha avó sofreu um derrame (graças a Deus não ficou com sequelas graves), e passado algum tempo, em uma de suas crises, minha mãe começou a ter síndrome de perseguição, ela pensava que todos (inclusive os bispos, pastores e obreiros da igreja), estavam perseguindo ela! Era muito ruim, pois quando acabávamos de sair da reunião, e eu estava pensando no que Deus tinha falado comigo, ela começava a falar: "Você não viu, filha? O pastor está furioso comigo! Ele está me perseguindo!" Mas não tinha nada disso! Eu estava na mesma reunião que ela! Porém, por mais que eu contestasse, nada fazia ela mudar de idéia...

Passado algum tempo, ela se afastou da igreja, e simplesmente começou a se comportar como uma adolescente: saía de noite, ia beber em algum bar e só voltava na manhã do dia seguinte. Ela não tinha celular, portanto, lembro-me de várias vezes ficar muito preocupada, mas entregar nas mãos de Deus. Enquanto eu saia domingo de manhã pra ir para a igreja, ela chegava cheirando álcool. E mais uma vez eu perseverei, e em momento algum deixei de focar aquilo que eu mais queria, que era o meu batismo no Espírito Santo.

Quando minha mãe tinha seus surtos, ela dizia que suas chances com Deus tinham acabado, e que a única coisa que lhe restava era a morte, portanto, ela chegou a se despedir de nós em vários locais pela casa, como quem vai morrer a qualquer instante. Ela escreveu nas pastas, nos objetos e até mesmo na parede no nosso quarto.

Não demorou muito e graças a Deus ela voltou para a igreja, dessa vez, conseguiu se libertar daqueles pensamentos de perseguição, começou a enxergar as coisas de outra maneira, e finalmente entendeu que precisava lutar pela sua libertação! Assim, o tempo passou e ela foi se esforçando, indo nas correntes, fazendo os propósitos, sacrificando na Fogueira Santa, orando em casa, etc.

O ano de 2010 estava acabando, Deus havia sido comigo, mas nada do meu batismo... Foi então, que praticamente já na virada do ano, eu decidi entrar 2011 de uma forma diferente dos demais anos. Deus me mostrou um versículo na bíblia que dizia: "Entraram em ALIANÇA de buscarem ao Senhor, Deus de seus pais, de todo o coração e de toda a alma de todo o coração, eles juraram e, de toda a boa vontade, BUSCARAM ao Senhor, e por eles foi achado" E pensei: acho que eu nunca busquei com todas forças! Com a direção de Deus, abri um propósito durante todo o ano de 2011, de buscar o Espírito Santo todos os dias em casa e ungir minha testa com óleo (simbolizando o selo do Espírito Santo), de ler a bíblia e escrever no meu blog o que Deus havia falado comigo, não para que os outros lessem, mas para que no final do ano eu tivesse tudo registrado. E assim eu fiz, mas é claro que isso não agradou nem um pouco ao diabo! Eu percebi que ele tinha começado a se levantar, dentre outras coisas, através da minha mãe, pois ela regrediu novamente, começou a duvidar, a falar que iria morrer, que não tinha mais saída para ela... Eu tentei ajudá-la, conversei, orientei, mas ela dizia que eu não a entendia e argumentou que eu ainda não era batizada com o Espírito Santo. No mesmo momento, me recordo de ter dito: "Não se preocupe mãe! Eu comecei um propósito com Deus, e tenho certeza que Ele vai me honrar, até porque o diabo já está se levantando pra tentar me parar!" Essa praticamente foi nossa última conversa...

Na quarta-feira eu fui na reunião, e me lembro que o pastor pregou sobre o Salmo 91. Ele disse que nós não podemos estar apegados a nada e a ninguém, e que Deus esconde e protege em seu abrigo aqueles se apegam a Ele com amor. Me lembro de ter orado dizendo: "Deus, eu posso perder tudo e todos, que se eu tiver o Senhor comigo, terei forças para seguir em frente, mas ainda que eu tenha tudo e todos à minha volta, se eu perder o Senhor, estarei perdida!" Mal sabia eu o que estava para acontecer...

No sábado, eu acordei atrasada e fui correndo para a igreja. Lembro-me de ter despedido da minha mãe e saído às pressas. Quando cheguei em casa, fiquei aguardando o horário dela chegar, mas as horas se passaram, e ela não retornou. No domingo de manhã (como ela já tinha feito isso outras vezes), eu resolvi ir normalmente à igreja. Mas quando deu domingo de noite, comecei a ficar aflita! Não sabia o que fazer... lembro-me de ter conversado com duas esposas pela internet (a D.Roberta e a D. Graciele), foi aí que eu saÍ para procurá-la com minha irmã (meu irmão estava de férias fora do país), mas por volta das 22:30, voltamos pra casa sem saber o que fazer... De madrugada recebemos um telefonema do IML...ela tinha sido atropelada em uma BR por volta das 23 horas, e não resistiu, a morte foi instantânea...

Nunca tinha sentido uma dor como essa, a de perder uma pessoa tão próxima de uma forma trágica. Tudo parecia um pesadelo! Fui enterrar minha mãe com ódio do diabo, e apesar da do ambiente horrível, eu ouvia no mp3 músicas de fé. Agradeço muito meus familiares, meus amigos e obreiros da igreja que foram lá para me consolar, mas diante de uma dor como essa, só mesmo o Espírito Santo para nos consolar! Ao invés de eu questinoar a Deus, diante do caixão, eu dava graças a Deus, porque sabia que nada acontece sem Sua permissão, e que Ele sabia o que estava fazendo. Na volta para casa, nunca vou me esquecer de um carro que ia na frente do nosso, e que tinha um adesivo escrito: Deus não falha! Eu tomei essas palavras pra mim...

Na mesma semana eu já estava evangelizando, e vi Deus me usando para consolar lágrimas desconhecidas, de pessoas que não tinham a mínima noção do tamanho da minha dor. Foi aí que eu cri que o Espírito Santo já estava em mim! Não tinha mais como duvidar!

Eu perseverei no meu propósito com Deus, até que dois blogs me chamaram a atenção, um deles é o da  Luana Peruzzo (http://sendovocemesmo.blogspot.com), no qual ela começou um propósito de oração pra quem enviasse seu problema por e-mail, e o outro da D. Roberta Kelly (http://vivemosemcomunhao.blogspot.com), que já estava me acompanhando por e-mail a algum tempo, e que era o propósito da queda das muralhas. Eu precisava de oração, e precisava vencer as muralhas da dúvida e do medo, para ser selada com Espírito Santo, então, entrei nos dois propósitos. Mal eles começaram e Deus já me respondeu...

Na madrugada da quinta- feira (dia 3 de Fevereiro), eu fui buscar o Espírito Santo. Aconteceu de tudo para me atrapalhar: coceiras, barulhos, além do meu cansaço, mas eu insisti, e quando menos esperei, fui batizada com o Espírito Santo. Não teve nada de emoção, mas a alegria foi tanta, que eu saí mandando e-mails e mensagens pra todo mundo da igreja! rsrs =) No domingo da mesma semana, tive outra alegria: fui levantada a obreira!

Bem, dia 9 desse mês de fevereiro, completou 1 mês da morte da minha mãe, na madrugada dessa quinta, uma semana do meu batismo no Espírito Santo, e hoje, completei 4 dias como obreira! As pessoas simplesmente não entendem a alegria que tenho em mim! Parece até meio estranho! Mas é isso que Deus faz: coisas inexplicáveis e inesperadas! Tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus...

Agora é guerra!
 
 
PS: Fique na fé amigas!! Não desanimes, vai dar tudo certo! na certeza.
Postar um comentário